Entretempos

Imagens diluídas em diferentes suportes

 -

Editado por Daigo Oliva, editor-adjunto do Núcleo de Imagem da Folha, o blog aborda os diferentes suportes da imagem, com ênfase sempre na fotografia.

Perfil completo

Publicidade

O fim?

Por DAIGO OLIVA

Como você gostaria de morrer no dia do fim do mundo?

O Entretempos fez esta pergunta a cinco fotógrafas.

Se tudo acabasse hoje e fosse possível escolher a forma de morrer, como seria?

Ana Beatriz Elorza, Autumn Sonnichsen, Candice Japiassu, Helena Wolfenson e Raquel Brust produziram autoretratos para materializar seus desejos.

Abaixo você confere o resultado das artistas e o blog deseja a todos um ótimo fim de…

…semana.

1.

“Escolhi fazer a foto na antiga casa de minha avó, no jardim onde brinquei minha infância toda.

Minhas memórias estão guardadas dentro dessa casa vazia, e mesmo com a atmosfera de tempo suspenso, é onde eu me sinto mais acolhida. A casa está à venda, e estamos próximos do fim de um mundo particular.

Decidi fazer a foto com meu sobrinho, que representa a renovação da família, a continuidade do tempo e o nosso futuro. Proteção, acolhimento, amor.

Todo o fim é um recomeço. Estamos criando nosso próprio Jardim do Éden”Raquel Brust

2.

“O título do trabalho pode ser ‘Deslocamento’ e uma frase da Clarice Lispector cabe bem:

‘Então sonhei um sonho tão bom: sonhei assim: na vida nós somos artistas de uma peça de teatro absurdo escrita por um Deus absurdo.

Nós somos todos os participantes desse teatro: na verdade nunca morreremos quando acontece a morte.

Só morremos como artistas. Isso seria a eternidade?'” Candice Japiassu

3.

“O desejo era fazer algo com água; água como corrente que transporta vida e matéria, a passagem.

O fim e a vida que ainda habita. Não há um só fim, há fins seguidos de princípios.

E afinal o mundo não acabará, e ainda haverá o claro e o escuro”Helena Wolfenson

4.

“Gostaria de morrer caindo, na fração de tempo entre abandonar meu corpo no ar e dar de cara com o concreto.

No meio do caos do fim, cair.

Como o fim ainda não chegou, só a fotografia permite observar o entre tempo dessa performance feita para ser foto” – Ana Beatriz Elorza

5.

“Não é um desejo de morrer assim.

Preferia passar o fim do mundo na casa da minha mãe, mas ela mora longe, e não dá tempo de chegar até lá.

Então, já que é pra morrer no Brasil, é melhor ter gatinhas”Autumn Sonnichsen

Blogs da Folha