O World Press Photo já começou

Por DAIGO OLIVA

Aos poucos, o World Press Photo vai anunciando seus primeiros vencedores.

A primeira parte dos premiados deste ano vem das três categorias de multimídia.

Documentários de curta ou média duração – feitos especialmente para serem vistos na internet – e trabalhos que mesclam fotografia, design, ilustrações, entre outros tantos suportes, já possuem seus escolhidos.

O blog destaca aqui dois dos eleitos, mas você pode ver toda a galeria dos ganhadores clicando aqui.

A comissão julgadora está reunida desde o começo de fevereiro para decidir quais serão os agraciados da edição 2013 nas seções mais tradicionais da disputa.

Em breve, o Entretempos volta a falar sobre o prêmio mais importante e desejado do fotojornalismo mundial.

_ _

Living With a Secret

Amber é uma garota de 12 anos que convive com questões sobre identidade de gênero. Nasceu Aaron, mas logo descobriu que, na verdade, não era um menino.

O curta de Arkasha Stevenson, feito para o jornal Los Angeles Times, é uma delicada peça que mostra a complicada definição entre masculino e feminino. Os depoimentos da jovem menina e de seus pais são emocionantes, colocando em pauta as simplificações conservadoras sobre as definições de gênero, uma discussão não tão difundida como preferência sexual.

Chega a ser irônico que “Living With a Secret” tenha perdido o primeiro lugar na categoria para o espanhol Pep Bonet, que possui um largo trabalho documental com transgêneros e transexuais. Assim é a vida.

Sabiamente, o World Press Photo e o Los Angeles Times não deixam que o vídeo seja embedado em nossa página, então você pode ver o bonito curta clicando aqui.
_ _

Lost and Found

Um dos grandes méritos do World Press Photo é incluir entre seus premiados trabalhos que não são puramente fotojornalismo, no sentido mais tradicional da palavra.

Em 2011, o prêmio fez uma menção honrosa ao alemão Michael Wolf e seu trabalho que registrava imagens do Google Street View, reinterpretando-as segundo sua visão. O mérito dado pela fundação balançou os setores mais chatos da fotografia, que não enxergavam a obra de Wolf como fotojornalismo.

Assim, Lost and Found caminha pelo mesma trilha. Na década de 90, o historiador Rich Remsberg descobriu uma coleção de fotos em caixas que foram parar no lixo. Entre as imagens, muitas e muitas fotos dos EUA em cores, em 1938.

As fotografias fazem parte de uma grande coleção construída pelo fotógrafo Charles W. Cushman, agora totalmente reunida e alojada na Universidade de Indiana. Num mundo que pensava-se imageticamente em preto e branco, descobre-se um rico material colorido.

A edição deste material por Claire O’Neill, do site de notícias NPR, rendeu o terceiro lugar do World Press Photo na categoria “Interactive Documentary”, que você pode ver aqui.

É… o Entretempos não gosta de vencedores.

Este post começou a partir de uma dica do fotógrafo Filipe Redondo. Tem sugestões? Escreve pra gente: entretemposblog@gmail.com