Cinzas fotográficas

Por DAIGO OLIVA

Nunca uma equação matemática definiu o Carnaval tão bem.

“365 – 65 = NADA”, livro de fotos do fotógrafo paulistano Manuk Poladian define o período de tempo mais importante para os sambistas: sem os 65 minutos de duração de um desfile pelo sambódromo, os 365 dias do ano deixam de ter sentido.

Só quem faz parte de uma escola de samba tem a dimensão dessa conta.

Lançado na segunda metade dos anos 90, “365” é um passeio pelas figuras importantes do samba paulistano. Seu Nenê da Vila Matilde, Carlão da Unidos do Peruche, Dona Lurdes da Camisa Verde e Branco e outros tantos personagens lendários estão contemplados em um ensaio que flutuou por todos os processos do Carnaval.

Dos integrantes da comunidade até a passarela, barracões, quadras de ensaio e a concentração formam a linha do tempo que vive no coração dos passistas.

Nesta edição do material de Manuk, os rostos dos integrantes das escolas aparecem, inicialmente, fortes e definidos.

Aos poucos vão se soltando, desintegrando, até um momento em que os grãos da película se confundem com os movimentos dos sambistas, fundindo instrumentos, adereços e o grito numa única forma.

Forma indefinida, como as cinzas da quarta-feira de Carnaval.

_ _

_ _

Amanhã, o Entretempos publica um incrível ensaio inédito de Alex Majoli, fotógrafo italiano membro da Magnum, nosso último suspiro de Carnaval.

Até lá.