Entretempos

Imagens diluídas em diferentes suportes

 -

Editado por Daigo Oliva, editor-adjunto do Núcleo de Imagem da Folha, o blog aborda os diferentes suportes da imagem, com ênfase sempre na fotografia.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Precisamos falar de nós mesmos?

Por DAIGO OLIVA

Fotografias contemporâneas que navegam entre o limite do documental e do fictício a partir de histórias pessoais foram largamente usadas por nomes como Nan Goldin e Larry Clark.

Narrativas brutais destes fotógrafos americanos deslizavam por um universo carregado de violência, drogas e sexo, costuradas pelas relações do artista com seus amigos e amantes, despertando o interesse e a idolatria de milhares de leitores.

O compartilhamento de experiências privadas, em situações carregadas de intensidade, mistura a figura do fotógrafo observador com aquele que realmente faz parte daquilo que está sendo registrado.

A relação íntima com os personagens permite que a testemunha fotográfica seja despercebida no local, trazendo situações próximas do real.

Assim como em alguns textos, as impressões registradas em primeira pessoa tornam a vida particular um ponto de contato com a experiência íntima de outras pessoas.

Ao contrário de relatos objetivos e descritivos, as emoções tomam conta do que está sendo fotografado.

“Heart-shaped Bruise”, fotografia de Nan Goldin

Desde então, o recurso da vida-diária se alastrou até contaminar grande parte de portfolios, flickrs e tumblrs espalhados pela bacia de fermento da internet.

Uma vez que o nível de energia e força dos trabalhos tanto de Nan Goldin quanto de Larry Clark era muito profundo, o resultado da maior parte das obras realizadas posteriormente segundo essa ideia parou no estágio de emulações.

Os dois exemplos citados provam que o problema não está no formato. Ao mesmo tempo em que cativa e impulsiona muitas pessoas a enveredar por esta abordagem, qual seria a razão para tantos trabalhos insossos que carregam o modelo da vida-diário?

São muitas perguntas.

Resgatar nomes como William Eggleston, Daido Moriyama, Wolfgang Tillmans e muito outros ajudam a melhor entender quando esse tipo de fotografia funciona.

A forma como esses fotógrafos produzem não acontece por acaso – há um conjunto de obras anteriores nas quais se basear, um estilo que reforça a sutileza do olhar sobre o que normalmente não nos demoramos e um discurso formado.

Eggleston foi além do “american way of life” para mostrar os EUA de outra maneira, Moriyama se enfiou no subterrâneo da vida comezinha japonesa e Tillmans explicita o dia-a-dia louco de um alemão.

São trabalhos que traduzem mais a experiência de viver do que as especificidades de casos particulares. O artista, pretensamente, resume em fotos sua vivência e, com sorte, cria uma história que convirja com o interesse de outras pessoas.

No exemplo de Moriyama, numa sociedade tão discreta quanto a japonesa, o pioneiro em desvendá-la, seja como for, tem grandes chances de sucesso na conquista da curiosidade dos outros.

Imagens de Daido Moriyama

Este tipo de abordagem funde o interesse do assunto fotografado com o interesse sobre o próprio autor. Não seriam os dois a mesma coisa?

Talvez a motivação em adotar uma fotografia que fale mais sobre a forma como o “eu” enxerga o mundo esteja em conexão com a modernidade líquida que não prioriza o outro.

É como se tivesse se tornado um estilo de fácil uso, uma forma fotográfica que pode ser usada para contar qualquer coisa, afinal é sempre a visão que temos o tempo todo.

Na década de 2000, os assuntos, em larga medida se esgotaram numa dualidade antagônica. Ou ficaram cada vez mais acessíveis – clichês, simplórios, lugar-comum -, ou cada vez mais inacessíveis, como áreas marginalizadas e fronteiras bélicas.

Muitos artistas, então, se voltam ao submundo, mas precisam de um submundo original. O mais cômodo, mais próximo de sua zona de conforto, é o seu próprio submundo interior, que, se tratando da média dos fotógrafos é largamente desinteressante.

Qual o interesse por trás de muitos trabalhos que reproduzem o estilo de vida-diário? Qual o incentivo para que se crie um interesse? Nos perguntamos porque essas imagens foram registradas? Qual é a história que o fotógrafo quer nos contar?

Tudo é aberto demais, e tudo já é aberto demais. Obras são soltas no mundo a espera que os outros deem sentido a ela.

Num certo momento o fotógrafo tem que achar um norte. Muitos trabalhos atuais são tão abertos que o próprio fotógrafo mal sabe do que se trata na verdade.

A experiência dos autores atuais erram na tentativa de cativar, pois vivem em 2013 numa vida que não parece muito especial.

– Gabo Morales e Entretempos

Blogs da Folha