Entretempos

Imagens diluídas em diferentes suportes

 -

Editado por Daigo Oliva, editor-adjunto do Núcleo de Imagem da Folha, o blog aborda os diferentes suportes da imagem, com ênfase sempre na fotografia.

Perfil completo

Publicidade

A vida como um trem em movimento

Por DAIGO OLIVA

Imagine uma vida sem amarras, pulando de trem em trem, sem direção.

Vivendo a maior parte do tempo em trânsito, a beira de trilhos, desconfortável, mas, ainda assim, livre.

O americano Mike Brodie acaba de lançar “A Period of Juvenile Prosperity”, livro de fotos que narra sua experiência de 10 anos viajando clandestinamente pelos EUA entre vagões e compartimentos de carga.

Ao atravessar 46 estados e mais de 80 mil quilômetros, Brodie registrou amigos, namoradas, famílias e desconhecidos que compartilhavam o mesmo modo de viver.

“Não era muito intencional, não era um projeto de arte, eu estava apenas indo, como uma ave-maria em uma partida de futebol. Jogando e vendo o que acontece”, escreveu o fotógrafo à revista americana Slate.

Os registros, feitos entre 2006 e 2009, foram descobertos pela galeria M+B, a mesma de nomes como Alex Prager, e resumem o pequeno período de atividade artística de Brodie.

Apesar de ter vencido o prêmio Baum para fotógrafos emergentes em 2008 e todo o frenesi em torno das imagens de “Juvenile Prosperity”, o artista trabalha atualmente como mecânico.

Vai entender.

“A Period of Juvenile Prosperity” traz de volta o espírito vagabundo, solto e frenético da literatura de obras como “On The Road”, onde pequenos e silenciosos gestos do cotidiano furioso dos jovens caroneiros contrastam com a velocidade dos trilhos.

É na quietude em que os retratados se preparam para “embarcar” onde se guarda a explosão de um trem em movimento.

Assim como a vida.

O material pode ser visto até 6 de abril na galeria Yossi Milo, em Nova Iorque.

Essa postagem nasceu de uma dica da artista Nati Canto. Tem sugestões? Escreve pra gente: entretemposblog@gmail.com

Blogs da Folha