Entretempos

Imagens diluídas em diferentes suportes

 -

Editado por Daigo Oliva, editor-adjunto do Núcleo de Imagem da Folha, o blog aborda os diferentes suportes da imagem, com ênfase sempre na fotografia.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

A mais importante feira de arte do hemisfério sul

Por DAIGO OLIVA

Fernanda Feitosa respira a SP-Arte.

Empolgada com o tamanho e a representatividade do evento que criou, não faz cerimônia ao afirmar que é “a mais importante feira de arte do hemisfério sul”.

Pudera. Em 2012, reuniu 110 expositores e movimentou ao menos 49 milhões de reais, número que corresponde apenas às galerias que declararam suas transações.

As cifras explodem no imaginário do mercado da arte.

Nesta edição, que estreia nesta quinta-feira (04), o evento espera receber 23 mil pessoas no Pavilhão da Bienal para visitar 122 galerias, entre elas a estreia da americana Pace, de Michal Rovner e Alexander Calder, além da badalada inglesa White Cube de Damien Hirst.

Na entrevista abaixo, por email, Fernanda falou sobre o projeto “Laboratório Curatorial”, a explosão de galerias em São Paulo e ainda deu dicas de feiras de arte fora do país.

Vale a pena.

_ _

Fernanda Feitosa em foto de Lucas Lima/Folhapress

_ _

2013 maior

Esta é a maior edição da SP-Arte e a mais internacionalizada, com 122 participantes, do Brasil e do exterior.

São 15 países: Alemanha, França, Inglaterra, Portugal, Espanha, EUA, Costa Rica, Cuba, Colômbia e Japão.

Hoje temos mais de 200 convidados internacionais desembarcando para a feira.

Não são turistas acidentais.

Laboratório curatorial

O “Laboratório Curatorial” é uma iniciativa única da SP-Arte, sem paralelo em nenhuma outra feira do mundo.

Trata-se de uma oficina de curadoria em que o Adriano Pedrosa, idealizador e coordenador do projeto, seleciona, com curadores convidados a cada edição, 4 pré-projetos de jovens curadores a serem executados para feira.

São pré-projetos que serão transformados em projetos ao longo de quase 8 meses de trabalho e encontros.

As exposições são montadas na feira, contam com catálogo e folheto informativo e, ao final, os curadores recebem como prêmio uma viagem para visitar uma mostra de arte de alcance internacional, como foi no ano passado Kassel e este ano as bienais de Veneza e Istambul.

É um projeto muito bacana para um país em que existem menos oportunidades profissionais para curadores de arte.

Eventos satélites

A feira tem mais de 50 eventos paralelos acontecendo fora do Pavilhão [da Bienal do Ibirapuera]. Só de exposições são 20 que abrem na cidade.

[Em paralelo: Veja aqui as principais atrações que acompanham a SP-Arte fora da Bienal]

São Paulo é a capital cultural da América Latina, como afirmou Nicholas Serota, diretor da Tate, no ano passado.

Não só tem a Bienal, como tem também a mais importante feira de arte do hemisfério sul e os museus com acervos espetaculares e mais ativos, como Pinacoteca, MAM, MAC e MASP.

Obra de Alexander Calder, presente na SP-Arte

Explosão de novas galerias

Muitas galerias abrem na cidade de SP. Semana passada mesmo abriu a Carbono, que se dedica a múltiplos e edições.

É fundamental que surjam novas galerias ao mesmo tempo em que a feira ajuda a transformar apreciadores de arte em compradores, pois essa conjugação de fatores faz acontecer o tão necessário escoamento da produção artística que tem que circular.

O artista precisa vender e se sustentar através de sua profissão e, para isso, são necessários mais museus, mais centros culturais e mais colecionadores.

É possível ver tudo?

Eventos excessivamente grandes são desnecessários. O que é importante é a qualidade. A SP-Arte traz apenas 122 galerias. Outras feiras concorrentes no exterior chegam a ter 300 expositores.

Isso é um exagero e o visitante não tem condiçoes de ver tudo. Smaller is better, less is more…

Acredito nisso.

Para fora

As melhores feiras são aquelas em que você se sente bem tratado. No hemisfério norte, não se deve perder Basel, Basel Miami, Frieze, Fiac e Arco.

Na América Latina, a ArteBo, na Colômbia.

_ _

SP-ARTE / 2013
4 e 5 de abril, das 14h às 22h
6 e 7 de abril, das 12h às 20h
Pavilhão Ciccillo Matarazzo
Parque do Ibirapuera, Portão 3 – São Paulo
Inteira – R$ 30,00
Meia-entrada – R$ 15,00
www.sp-arte.com

Para ler mais sobre a edição deste ano da SP-Arte, clique aqui para acessar a reportagem publicada hoje na Ilustrada.

Blogs da Folha