Autorretrato da classe média

Por DAIGO OLIVA

Durante dez anos, o colombiano Juan Pablo Echeverri, 34, acordou todos os dias de sua vida com um único objetivo: se produzir com um visual diferente, ir até a loja “FotoJapón” e se autorretratar em uma foto 3×4.

Quando a obsessão do fotógrafo chegou a 3.000 registros (acima), houve quem encontrasse na diversidade de seus autorretratos uma representação sobre a classe média na América Latina, tema da mostra”Fotonovela – Sociedade/Classes/Fotografia”, que abre amanhã, no Itaú Cultural.

Para Claudi Carreras e Iatã Cannabrava, curadores da exposição, a multiplicidade do trabalho do colombiano tem a ver com a dificuldade de compreender uma América Latina em transição e que também é global.

Com 25 artistas de 13 países, a mostra quer introduzir novos assuntos nas interpretações fotográficas locais.

“O detonante [da exposição] foi o júri de um concurso em que vimos 90 mil imagens em uma semana”, explica o catalão Carreras.

“E 89 mil eram fotos de violência, exotismo e questões indígenas, que é uma tônica da representação do continente através da fotografia. Mas, hoje, alguns indivíduos começam a perceber que há de se documentar outras realidades”, completa o brasileiro Cannabrava.

“Autorretrato con ropa”, do uruguaio José Pilone, presente na mostra “Fotonovela”

Em dois andares do instituto, símbolos de consumo e ascensão social substituem as cenas de pobreza e tradições locais.

O shopping, presente nas fotos de Claudia Jaguaribe, o aeroporto e a praia, nas imagens de Cássio Vanconcellos e, especialmente, a empregada doméstica são figuras emblemáticas que permeiam a mostra, como nos trabalhos de Daniela Ortiz e do brasileiro Andre Penteado.

Ambos dividem uma pequena sala “escondida” na exposição, clara alusão aos “quartinhos de empregada”.

Enquanto Penteado compila propagandas e programas de TV sobre trabalhadoras do lar, a peruana compara o tamanho dos dormitórios de 60 plantas arquitetônicas de casas da classe alta de Lima -evidenciando as minúsculas condições espaciais das habitações de serviço.

“Em alguns casos era completamente possível incluir uma janela [no quarto]. Ou ainda, quando havia uma, a vista dava para um pátio ou uma garagem”, conta Ortiz.

O viés de denúncia social surge diluído em diversos ensaios, mas não é o tom predominante da mostra.

Aspectos psicológicos do tema são traduzidos por meio de autorretratos de fotógrafos que constituem a própria classe média.

“Corazones al Límite”, foto de Stefan Ruiz; a novela entre o simulacro e a realidade

“O autorretrato possibilita um entendimento do mundo através de si”, explica Cannabrava. Um exemplo são as fotografias da artista brasileira Sofia Borges e o ensaio do uruguaio José Pilone.

Seguindo um rígido padrão, o artista registra a si mesmo nu, em frente a um armário, escondendo a genitália com pilhas de roupas.

Pilone, que é funcionário público, discute a repetição da rotina diária do trabalhador da classe média e as roupas como máscaras sociais.

Segundo Everardo Rocha, 62, professor do departamento de comunicação social da PUC-Rio, “para determinar uma classe social, deveria se olhar para estilos de vida, hábitos existenciais e não para renda”.

A definição está alinhada com o sonho de consumo presente nas 60 imagens da paulistana Helena de Castro. Em “Da série Luca”, a fotógrafa registra obsessivamente, por meio do aplicativo Instagram, a rotina de seu filho em restaurantes, parques e viagens internacionais.

Nada mais classe média.

Fórum debate os estereótipos do continente latino-americano

A mostra “Fotonovela – Sociedade/Classes/Fotografia” é parte da programação do Fórum Latino-Americano de Fotografia de São Paulo.

O evento, que ocorre no Itaú Cultural de hoje até domingo (20), busca ampliar o debate sobre representações estereotipadas da América Latina por meio de entrevistas com artistas, palestras sobre gestão cultural e encontros com curadores e críticos.

Entre os convidados estão Christopher Anderson, membro da lendária agência Magnum, e Michael Mack, diretor da Steidl e fundador da Mack Books, editoras responsáveis pelos principais fotolivros lançados na última década.

Esta é a terceira edição do evento, que já trouxe ao país os fotógrafos Alec Soth, Martin Parr e o espanhol Joan Fontcuberta.

Com exceção dos workshops e das leituras de portfólio, os debates, encontros e entrevistas são gratuitos, e os ingressos, distribuídos meia hora antes de cada programação.

Acima, “A praia”, de Cássio Vanconcellos, reunião de fotos manipuladas digitalmente

FOTONOVELA – SOCIEDADE/CLASSES/FOTOGRAFIA
QUANDO de ter. a sex., das 9h às 20h; sáb., dom. e feriados, das 11h às 20h; até 22/12
ONDE Itaú Cultural (av. Paulista, 149, tel. 0/xx/11/2168-1776/1777)
QUANTO grátis
CLASSIFICAÇÃO livre

_ _

Curta o Entretempos no Facebook clicando aqui.