Entretempos

Imagens diluídas em diferentes suportes

 -

Editado por Daigo Oliva, editor-adjunto do Núcleo de Imagem da Folha, o blog aborda os diferentes suportes da imagem, com ênfase sempre na fotografia.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em Madri, antigos edifícios são transformados em centros culturais

Por DAIGO OLIVA

Este texto foi originalmente publicado no caderno Turismo da Folha.

***

Antigos edifícios industriais, um hospital, um matadouro e uma agência bancária. Todos transformados em pontos de cultura de Madri.

Na capital espanhola, ao menos cinco espaços multidisciplinares -com exposições, shows, cursos e atividades sociais- foram construídos a partir de instalações comerciais desativadas. La Casa Encendida, complexo cultural de 6.500 m² no centro de Madri, ocupa um prédio construído em 1903 onde funcionava uma casa de penhores e, posteriormente, um banco.

A construção, erguida pelo italiano Fernando Arbós, foi expandida e reinaugurada no final de 2002 com ampla programação gratuita de exposições de arte, arquitetura e design. Nos três andares do edifício há também uma sala de cinema, terraço e um restaurante pequeno e charmoso. A decoração descolada, que inclui um lustre feito com tubos de canetas transparentes, é um dos destaques do local. “A reforma respeita o desenho original da fachada, das escadas e das torres. Mas não há a sensação de estar em um prédio antigo”, afirma Lucía Casani, diretora cultural da instituição.

Cantora se apresenta no terraço da Casa Encendida

A palavra “encendida” (acesa, em português), presente no nome do centro cultural, refere-se a um poema do espanhol Luis Rosales e “quer dizer ‘ocupação’, uma casa cheia de vida”, explica José Guirao, diretor do espaço. Guirao foi diretor do museu Reina Sofia na década de 1990 e liderou o processo que levou à construção do anexo da instituição.

O novo edifício, projeto do premiado arquiteto francês Jean Nouvel, faz conexão com o espaço original do Reina Sofia, ex-sede do hospital-geral de Madri. A construção abriga, entre outros trabalhos importantes, “Guernica”, de Pablo Picasso. “A principal vantagem da utilização desses edifícios é a idoneidade do espaço. Normalmente são grandes, arejados, com estética industrial e com muitas possibilidades expositivas”, explica Isabel Quintana, conselheira técnica do Ministério da Cultura da Espanha.

A prática de reaproveitamento de espaços tem outros exemplos pela cidade. A Tabacalera, antiga fábrica de fumo no centro de Madri, tornou-se um espaço autogestionado com exposições, palestras e montagens teatrais. Atualmente, a galeria apresenta uma coletiva com jovens fotógrafos espanhóis.

No bairro de Malasaña, uma fábrica de cerveja deu lugar ao Museu ABC. Completamente remodelado e com arquitetura contemporânea, a instituição exibe mostras surpreendentes de design e ilustração, como a exposição recente dedicada à história da loteria espanhola, com mobiliários e cartazes publicitários desde a década de 1920.

Cafeteria do Museu ABC, em Madri; abaixo, a fachada da galeria

O exemplo mais latente da remodelação de antigos espaços comerciais é o Matadero. Antigo matadouro municipal, o espaço funcionou até 1996, quando foi fechado. A reforma, orçada em € 100 milhões (R$ 326 milhões), manteve a estrutura dos prédios, de tijolos, mas combinou elementos modernos.

“A sala de cinema mais linda da Europa”, brinca Carlota Álvarez Basso, diretora de programação do Matadero, é decorada com fileiras de tubos de iluminação de LED. O espaço de 55 mil m² é um polo de eventos das mais diferentes áreas. “Contar com edifícios e espaços comuns permitiu que se formasse uma espécie de cidade da cultura, onde cabem todos os tipos de disciplinas artísticas ao mesmo tempo”, afirma a diretora.

Com média de 700 mil visitantes por ano, o centro cultural também promove residências artísticas em colaboração com países como Japão, França e Brasil. Em setembro deste ano, a galeria Pivô de São Paulo vai realizar uma parceria com o centro cultural espanhol.

“A linha que norteou as intervenções [no prédio original] é a reversibilidade, de modo que os edifícios podem ser facilmente devolvidos ao seu estado original. Mantivemos os vestígios do passado para reforçar o caráter experimental das novas instituições”, completa Álvarez Basso.

MUSEO ABC
Onde calle Amaniel, 29/31
Horário ter. a sáb., das 11h às 20h; dom., das 10h às 14h
Quanto grátis
Site museo.abc.es

LA CASA ENCENDIDA
Onde ronda Valencia, 2
Horário todos os dias, das 10h às 21h45
Quanto grátis
Site lacasaencendida.es

MATADERO
Onde paseo de la Chopera, 14
Horário seg. a sex., das 16h às 21h; sáb. e dom., das 11h às 21h
Quanto grátis
Site mataderomadrid.org

REINA SOFIA
Onde ronda de Atocha
Horário seg. e de qua. a sáb., das 10h às 21h; dom. das 10h às 14h30 (alguns setores do museu abrem até as 19h)
Quanto € 8 (R$ 26,10)
Site museoreinasofia.es

TABACALERA
Onde calle Embajadores, 53
Horário ter. a sex., das 12h às 20h; sáb. e dom., das 11h às 20h
Quanto grátis
Site latabacalera.net

O jornalista viajou a convite da Acción Cultural Española

_ _

Curta o Entretempos no Facebook clicando aqui.

Blogs da Folha