Entretempos

Imagens diluídas em diferentes suportes

 -

Editado por Daigo Oliva, editor-adjunto do Núcleo de Imagem da Folha, o blog aborda os diferentes suportes da imagem, com ênfase sempre na fotografia.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Gui Mohallem investiga suas origens familiares libanesas em ‘Tcharafna’

Por DAIGO OLIVA

Em dezembro de 2012, ao mesmo tempo em que lançava o fotolivro “Welcome Home”, Gui Mohallem já estava em meio a uma nova pesquisa.

Em primeira mão, o mineiro publicou aqui no Entretempos as imagens de seu então inédito projeto “Tcharafna” ou melhor, “prazer em conhecê-lo” em libanês. De lá para cá, o trabalho –que procura aproximar o fotógrafo de suas origens familiares– foi exposto em Belo Horizonte e São Paulo.

Agora, Mohallem transforma “Tcharafna” em um fotolivro por meio da editora Pingado-Prés. Nesta nova versão, as 13 obras exibidas nas mostras recebem novas imagens registradas em uma segunda viagem ao Líbano e adaptam os objetos de parafina em páginas de papel craft e tinta vermelha.

A obra será lançada no próximo sábado no stand da galeria Emma Thomas durante a feira SP-Arte (as informações completas estão no final do post).

Descendente de libaneses, o fotógrafo aproveitou uma residência artística no país para encontrar parentes, raízes e assim desvendar a figura do próprio pai.

Segundo o fotógrafo, a primeira viagem para o Líbano, entre maio e junho de 2012, foi um jeito de tentar investigar o segredo de seu pai, que emigrou para o Brasil há 60 anos. O tal segredo, Mohallem não revela de jeito algum.

O mineiro passou a entrevistar familiares em Fakiha, no vale do Bekaa, nordeste do país, onde produziu fotografias e vídeos. O passado paterno aos poucos foi se aproximando não só por meio das conversas com membros remanescentes da família mas também na medida em que o artista melhorava seus conhecimentos no idioma local. Foi a partir de um poema que seu pai ouviu uma única vez quando tinha dez anos que “Tcharafna” nasceu.

A obra vem em um envelope e todas as folhas são soltas. Em 72 páginas, Mohallem registra paisagens locais, partes de álbuns de fotografias antigas, restos de frutos e imagens delicadas que vão desde o painel frontal de um carro –com um charmoso mini ventilador– até o portão de um casa onde uma faca repousa entre as grades. Como definiu o crítico da Folha Fabio Cypriano sobre “Welcome Home”, “as imagens podem levar o observador a criar uma narrativa que pode ser independente de sua ‘verdade original'”.

Com a generosidade de sempre, Mohallem exibe no vídeo abaixo, pela primeira vez, o resultado final do fotolivro “Tcharafna”.

TCHARAFNA
AUTOR Gui Mohallem
EDITORA Pingado-Prés
QUANTO R$ 70 (72 págs.)LANÇAMENTO
ONDE no stand da galeria Emma Thomas na SP-Arte (Pavilhão da Bienal, pq. Ibirapuera, portão 3, mais informações em sp-arte.com)
QUANDO sáb, 5/4, às 16h
ENTRADA R$ 40

Curta o Entretempos no Facebook clicando aqui.

Blogs da Folha