‘Do que É Objeto’, de Breno Rotatori

Por DAIGO OLIVA
Foto: Danilo Verpa/Folhapress

‘Do que É Objeto’, de Breno Rotatori (Pingado-Prés) — No diário visual que Breno Rotatori publica agora em “Do que É Objeto”, primeiro fotolivro do paulista, os objetos registrados nunca parecem confortáveis em suas disposições. As portas de um armário estão semi-abertas, uma coleira está jogada no campo sem o seu cachorro, um lençol está amassado formando um catavento. O tom desgastado e lavado das 47 imagens da publicação remetem a uma fotografia que se entende mais como pintura do que ao seu próprio suporte. Não é um livro fácil de ser lido e a produção de Rotatori, acredito, também não quer ser “digerível” à primeira vista. Quando conversei com ele para uma reportagem anterior, o fotógrafo me explicou que a obra é “uma pesquisa não só sobre a forma, mas sobre o que tem dentro da forma”. “Um pouco do que Kandinsky falava da relação entre cor e forma, que é a vibração”, completou. Uma pena que nem essa pequena descrição esteja no livro. Ajudaria o leitor a entender o que ele pensou ao editar as imagens da publicação. As únicas letras do livro estão numa folha solta com informações técnicas. Seria o complemento ideal para uma excelente publicação sobre os objetos ao nosso redor. Estes, da forma como foram fotografados, podem traduzir um pouco do próprio cotidiano. São peças que não se encaixam, situações estranhas e uma espécie de non-sense organizado.

Avaliação: ótimo 

Haikai: em críticas curtas, o blog comenta fotolivros lançados neste ano.

Curta o Entretempos no Facebook clicando aqui.