Morre aos 81 o suíço René Burri, fotógrafo da agência Magnum

Por DAIGO OLIVA

Morreu nesta segunda (20), aos 81, o fotógrafo suíço René Burri. A causa da morte não foi divulgada. Famoso pelos retratos de Che Guevara que fez para a revista “Look”, em Havana, em 1963, ele foi um dos maiores nomes da agência de fotografia Magnum. Após a morte prematura de um de seus fundadores, Werner Bischof, ele se tornou um membro da agência em 1956.

Suas imagens, entre elas retratos de personalidades como Pablo Picasso, Alberto Giacometti, Yves Klein, Oscar Niemeyer e Le Corbusier, foram publicadas desde os anos 1960 em revistas como “Life”, “Stern” e “Paris Match”, além do  jornal americano “New York Times”.

Burri, que viveu entre Zurique e Paris, construiu uma parte significativa de sua obra em viagens pela Europa, pela Ásia e pela América Latina, tendo fotografado diversas cidades brasileiras como Brasília nos anos 1960 e São Paulo. No ano passado, doou todos os seus arquivos —cerca de 30 mil fotos— para o Museu do Eliseu, em Lausanne, Suíça.

Para o fotógrafo britânico Martin Parr, “Burri não foi apenas um dos grandes fotógrafos do pós-guerra”. “Ele também foi uma das pessoas mais generosas que eu tive o privilégio de conhecer”, disse o presidente da Magnum em nota publicada no site da agência. “Sua habilidade incomparável para contar histórias e nos entreter será parte de seu enorme legado”.

Suas imagens foram exibidas em vários museus, em especial no de Zurique, em 2013. Nascido em 1933, Burri fez sua primeira fotografia aos 13 anos com a câmera do pai, retratando Winston Churchill em visita à cidade suíça. Em 2011, conquistou o Reinhardt von Graffenried Lifetime Achievement Award, um dos principais prêmios de fotojornalismo mundial.

Curta o Entretempos no Facebook clicando aqui.