Gênio da cor, William Eggleston expõe pela primeira vez no Brasil em março

Por DAIGO OLIVA
© Eggleston Artistic Trust. Cortesia de Cheim & Read, Nova York

William Eggleston, precursor da fotografia colorida e um dos mais importantes artistas do século 20, vai expor no Rio de 15/3 até 28/6. Organizada pelo Instituto Moreira Salles e com curadoria de Thyago Nogueira –editor da revista “Zum”–, a mostra será a primeira grande individual do fotógrafo na América do Sul. Serão 170 fotografias, nas quais o americano de 75 anos faz um inventário do interior dos EUA. A abertura da mostra, em 14/3, acontece na sede carioca do IMS e terá a presença do artista.

Ao lado de Stephen Shore, Saul Leiter e Luigi Ghirri, Eggleston foi um dos pioneiros do uso da cor na década de 1960. Em 1976, John Szarkowski, então curador do MoMA, em Nova York, exibiu pela primeira vez as fotografias de Eggleston no museu. A mostra, apenas com imagens em cores, foi considerada uma das piores exposições daquele ano. Hoje, o artista é consagrado como precursor e Szarkowski um dos maiores curadores de todos os tempos. A mostra no Rio trará muitas das fotografias da exposição do MoMA, além de trabalhos realizados entre os anos 1960 e 1970.

© Eggleston Artistic Trust. Cortesia de Cheim & Read, Nova York

Outras séries importantes também serão apresentadas, como o ensaio “Los Alamos”, fruto de viagens de carro do Mississipi à Califórnia. Estradas, outdoors, lanchonetes, estacionamentos, motéis e subúrbios povoam o imaginário de Eggleston, que marcou as transformações de sua região natal, Memphis, dividida entre a decadência rural e a ascendência de uma classe média ávida por usufruir dos novos padrões de consumo.

Segundo o IMS, a exposição também trará obras menos conhecidas, como um conjunto de retratos feito com câmera de grande formato em 1974, assim como cinco fotografias em preto e branco, feitas antes que Eggleston realizasse apenas trabalhos em cores. Junto com a exposição será lançado um livro-catálogo com fotografias e textos inéditos do músico David Byrne, do escritor Geoff Dyer, do crítico de arte Richard Woodward e do curador Thyago Nogueira, além da primeira tradução para o português do texto de John Szarkowski, publicado no catálogo “William Eggleston´s Guide”, de 1976.

WILLIAM EGGLESTON, A COR AMERICANA
ONDE 
IMS, r. Marquês de São Vicente, 476, Rio, tel. (21) 3284-7400
QUANDO a partir de 15/3, de ter. a dom., das 11h às 20h; até 28/6
QUANTO grátis

Curta o Entretempos no Facebook clicando aqui.