Entretempos

Imagens diluídas em diferentes suportes

 -

Editado por Daigo Oliva, editor-adjunto do Núcleo de Imagem da Folha, o blog aborda os diferentes suportes da imagem, com ênfase sempre na fotografia.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

‘The Epilogue’, de Laia Abril

Por DAIGO OLIVA

“The Epilogue”, de Laia Abril (Dewi Lewis) – Nunca se discutiu tanto por que os fotolivros não têm público fora do mini círculo da fotografia, ainda que essas publicações tenham estrutura similar à mídias populares, como a literatura e o cinema. Mas, por um aspecto, não é difícil de entender. Muitas vezes, a iniciação neste universo ocorre a partir de obras que necessitam de uma leitura mais demorada, que falam sobre temas da própria fotografia e que pouco se conectam ao leitor “comum” –seja lá o que isso for. Um primeiro contato mais hermético pode afastá-lo para sempre. Não quer dizer que eu defenda trabalhos simplistas para quem está começando a gostar de fotolivros. É que “The Epilogue”, da espanhola Laia Abril, é um bom exemplo de como entender os mecanismos de um fotolivro de forma suave, sem se dar conta de quão complexa é a construção de uma publicação como essa. A obra possui muitas traquitanas de design –com folhas que se desdobram e recortes pendurados– e mistura pesquisa de um álbum de família a retratos feitos para o livro. Isso sem deixar de contar uma história com força e de forma objetiva. “The Epilogue” é a reconstrução da vida de Cammy, garota americana que morreu em decorrência de uma bulimia aos 26 anos, e também de sua família, que ainda tenta lidar com o processo da perda. Sem sentimentalismos, Abril faz entrevistas duras e recolhe aspas brutais sobre como é assistir a uma filha morrer aos poucos. Ao mesmo tempo em que a intimidade que a fotógrafa desenvolve com a família e amigos da personagem impressiona, ela também vai atrás de informações sem emoções: o obituário publicado em um jornal, um boletim escolar, o prontuário de uma de suas internações. O tema da bulimia é algo que aproxima o leitor. A experiência de ter me tornado pai há pouco menos de dois anos faz com que a leitura da obra seja completamente diferente, mas acredito que qualquer pessoa possa se interessar pela questão. De novo, não se trata apenas do tema, mas da maneira como você o desenvolve. “The Epilogue” consome o leitor. É uma obra-prima.

Avaliação: ótimo 

Haikai: em críticas curtas, o blog comenta fotolivros lançados neste ano.

Curta o Entretempos no Facebook clicando aqui.

Blogs da Folha