Melhores fotolivros de 2015: Jörg Colberg

Por DAIGO OLIVA

A partir desta sexta, o Entretempos começa a publicar a lista de melhores fotolivros do ano segundo quatros convidados, além de uma das metades deste blog. O primeiro a exibir seus escolhidos de 2015 é o crítico e professor Jörg Colberg, que edita o site Conscientious.

O alemão, que esteve na última edição da Feira Plana, em março, já colaborou conosco nas listas de 2014 e de 2013. Nos próximos dias, Fabio Messias e Walter Costa, cofundadores do grupo de estudos de fotolivros Trama, e o fotógrafo Leo Caobelli mostram seus eleitos. Bom final de ano!

A lista abaixo é uma lista dos meus fotolivros favoritos neste ano. Eles são os melhores? Não sei. Quem sou eu para dizer isso? Mas eles foram os meus prediletos, o que quer que isso signifique:

Katrien de Blauwer – ‘I Do Not Want to Disappear Silently Into the Night’ (Avarie)

Paul Kooiker – ‘Nude Animal Cigar’ (Art Paper Editions)

Anne Morgenstern – ‘Land ohne Mitte’ (Fountain Books)

Matthew Porter – ‘Archipelago’ (MACK)

Mariela Sancari – ‘Moises’ (La Fabrica)

Daisuke Yokota – ‘Vertigo’ (Newfave)

Makoto Azuma/Shunsuke Shiinoki – ‘Encyclopedia of Flowers II’ (Seigensha Art Publishing)

Há, também, outros dois livros que talvez não se encaixem nessa lista, mas pertencem a ela de alguma maneira: “The Years Shall Run Like Rabbits”, de Hellen van Meene, da Aperture, e “The Whiteness of the Whale”, de Paul Graham, da MACK. Hellen é uma amiga próxima, mas, tirando isso, este é um grande livro, e ela uma grande fotógrafa. Eis uma inestimável revisão de sua carreira até aqui. Já o de Graham é uma compilação de três projetos. Quem já tem os livros separados não precisa deste. Porém, como coleção, faz sentido e é uma grande produção.

Curta o Entretempos no Facebook clicando aqui.