Arquivo - Tag: fotolivro

Contexto de caça às bruxas na arte mantém obra de Philip-Lorca diCorcia atual quase 30 anos depois

Hoje mostro um fotolivro tão polêmico quanto cultuado: “Hustlers”, do americano Philip-Lorca DiCorcia, lançado pela Steidl|dangin em 2013.  Trago essa obra agora porque o ensaio foi realizado dentro de um contexto crítico à arte muito parecido ao que estamos vivendo hoje. Em 1989, o National Endowment for Arts, um fundo federal americano para financiar projetos(…)

Virtude de ‘Tropeço’ é tornar obra ‘anti-edição’ em fotolivro aberto a diferentes maneiras de edição

‘Tropeço’, de Mario Lalau (Fotô Editorial) – Ainda há vantagens em ser jornalista nos dias de hoje: com uma diferença de dez minutos, recebi dois exemplares de “Tropeço”, de Mario Lalau. Antes que me chamem de “jabazeiro”, saibam que ter visto duas cópias da obra foi determinante para entendê-la, uma vez que os exemplares não são iguais. Sem encadernação, as páginas(…)

Produção gráfica competente garante êxito da proposta de Elaine Pessoa no fotolivro ‘Nimbus’

‘Nimbus’, de Elaine Pessoa – Entre as muitas razões que impulsionaram a volta dos fotolivros neste período dominado por formatos digitais está a necessidade de manuseá-los. Ainda que boas iniciativas como o site espanhol Have a Nice Book satisfaçam a curiosidade de quem vive longe dos grandes centros produtores de fotolivros, ver uma publicação por meio de uma tela não entrega(…)

Overdose de subjetividade oculta boa história de ‘Topographies du Mensonge’, de Sue-Elie Andrade

‘Topographies du Mensonge’, de Sue-Elie Andrade-Dé – O estranhamento começa no título, em francês. Mas, logo em seguida, vem um texto introdutório em português. Antes que alguém acuse a autora de “Topographies du Mensonge” de ser pedante, é preciso esclarecer que Sue-Elie Andrade Dé é franco-portuguesa. E, neste caso, as palavras são cruciais para entender a obra lançada em(…)

Sem ser literal nem poético só para soar sofisticado, ‘Cabanagem’ é um marco na fotografia brasileira

O texto abaixo foi publicado na seção Ponto Crítico da edição deste domingo (20) da “Ilustríssima”. Já faz alguns anos, a fotografia contemporânea foi dominada por um vale-tudo em que sensações são sugeridas aos montes, situações são despejadas sem explicações e pouco é dito com contundência. Na tentativa de afastar a fotografia da ideia de que(…)

‘Moisés’ arremessa leitor no labirinto da mente ao ter de lidar com a perda

‘Moisés’, de Mariela Sancari (La Fabrica) – Presente em muitas listas de melhores fotolivros de 2015, “Moisés”, de Mariela Sancari, justifica sua fama. Ancorado em um projeto gráfico inteligente, a obra emula o labirinto íntimo da fotógrafa argentina ao imaginar como estaria seu pai se estivesse vivo. A projeção ganha força —e foge da pecha de ser apenas mais um drama familiar— porque a artista(…)

Fotolivros com pequenas tiragens são aposta de editoras independentes

Em um encontro com artistas e interessados em fotolivros no MIS, em São Paulo, um fotógrafo falava empolgado sobre seu próximo projeto. Ao explicar detalhes do ensaio e o tipo de estrutura gráfica que imaginou para a obra, ele enfatizou uma meta: “Desta vez, agora sim, vou lançar mil cópias”. O desejo por tiragens robustas vai na contramão de uma(…)