Arquivo - Tag: gregory crewdson

Evento discute mostra que contrapõe registros históricos e conceituais

Permanente – Neste sábado (7), às 15h, o MAM, Museu de Arte Moderna de SP, realiza um debate sobre a mostra de fotografia ‘poder provisório’. A exposição exibe 86 imagens para discutir o poder em diferentes esferas, misturando fotojornalismo com trabalhos de caráter experimental. Participam do bate-papo o curador da exposição Eder Chiodetto, o curador do MAM(…)

Josef Koudelka e Gregory Crewdson são destaques do ‘Maio Fotografia’

O texto abaixo foi publicado na Ilustrada de sábado (3). Como o blog havia adiantado, Gregory Crewdson e Josef Koudelka mostram suas imagens no MIS de São Paulo, parte da programação do “Maio Fotografia”. Com a colaboração de Juliana Gragnani, o Entretempos conversou com os fotógrafos e o curador das mostras, André Sturm, também diretor do museu.(…)

Dia de los muertos

Neste sábado de finados, o Entretempos celebra o “dia de los muertos” com algumas imagens que representam o fim. O fim para um recomeço, o fim de um ciclo, uma lembrança do que passou e o mistério do que está por vir. Talvez com essa carta do Julio Cortázar para a poeta Alejandra Pizarnik. “mi(…)

Os 50 fotógrafos mais influentes da década

A revista americana Complex publicou em sua versão online uma lista com os 50 fotógrafos mais influentes da última década. Listas são desnecessárias, mas divertidas. Por trás de pequenas polêmicas, deslizes e alguns nomes que nada influenciaram a fotografia no período, a publicação conseguiu reunir ótimos nomes. A lista é boa. Acima, a cantora MIA(…)

Instantâneas

Lá vem o segundo disco – Se lembra de “Afronauts”, livro sensação de 2012 da espanhola Cristina De Middel? A artista agora prepara seu novo projeto, que será lançado pela “Self Publish Be Happy”. Sob o nome de “SPBH Book Club Vol III”, Cristina volta a discutir a ideia de fotografia como documento, dessa vez(…)

Fotocinema

Parece razoável um set de filmagens que reúna guindastes, enormes andaimes e mangueiras com força suficiente para produzir chuva artificial. Comprar uma casa abandonada para queimá-la ou mesmo inundar um quarto, tudo isso é completamente compreensível para o gigantismo do cinema. Imagine agora que toda essa obsessão colossal é despendida para apenas uma única foto.(…)