Richard Mosse é o vencedor do prêmio Deutsche Börse Photography 2014

DAIGO OLIVA

Infravermelho – O fotógrafo irlandês Richard Mosse, 34, é o vencedor da edição 2014 do Deutsche Börse Photography, importante prêmio dedicado a artistas de qualquer nacionalidade que tenham contribuído significativamente para a fotografia contemporânea nos últimos 12 meses na Europa. Mosse foi laureado pela mostra “The Enclave at Venice Biennale”, baseado no ensaio super popular do artista em que utiliza filme infravermelho para documentar o leste do Congo, onde 5,4 milhões de pessoas morreram durante a guerra civil. O efeito visual da película é o mesmo de radares militares. Ao desbancar o espanhol Alberto García-Alix, o alemão Jochen Lempert e a norte-americana Lorna Simpson, Mosse receberá 30 mil libras (cerca de R$ 112 mil). Em anos anteriores, o Deutsche Börse já premiou fotógrafos como a dupla sul-africana Adam Broomberg e Oliver Chanarin, Paul Graham, Juergen Teller e Richard Billingham. Para ver mais de Richard Mosse é só clicar aqui.

Reunião – “Trama” é o nome do grupo de estudos sobre fotolivros organizado por Walter Costa, Renata Baralle e Fabio Messias, que realiza seu primeiro encontro nesta quarta (14). A conversa inicial parte da questão “afinal, o que é um fotolivro?”. Leve sua publicação preferida e tente responder o que torna aquele objeto especial. A primeira reunião acontece na Livraria Madalena, na rua Faisão, 82, às 19h, mas a ideia do grupo é se juntar em lugares, dias da semana e horários diferentes, para que mais pessoas possam participar. Uma das metades desse blog chora por não poder comparecer na estreia. Todas as informações você encontra aqui.

Cubo – Tem mais Madalena por aí. Durante a Virada Cultural, maratona de eventos culturais que acontece no final de semana dos dias 17 e 18 de maio em São Paulo, o pessoal do Estúdio Madalena vai instalar o cubo gigante que esteve no festival Paraty em Foco no Vale do Anhangabaú. Se no litoral do Rio o cubo mostrava fotos de artistas que foram exibidos na programação do festival, na capital paulista o painel vai expor, durante 24 horas, rostos dos moradores da cidade. O fotógrafo Claudio Edinger passou a última sexta no centro de SP registrando os escolhidos. Para saber mais é só clicar aqui.

Tristeza – A Kowasa, livraria catalã especializada em fotografia, anunciou que fechará suas portas no final do ano. A notícia mostra que, além da crise econômica europeia, o momento fantástico dos fotolivros não foi acompanhado por um aumento das vendas. Além da loja, a galeria Kowasa, que recebe mostras de fotografia, também em Barcelona, encerrará suas atividades em julho. Lá se vai uma das melhores fotolivrarias do mundo…

Curta o Entretempos no Facebook clicando aqui.

Comentários

  1. Oi pessoal! Fiquei triste com o fechamento da Kowasa, pois se trata de Cultura – e Cultura não deveria se perder. Podemos tolerar e aceitar que um empreendimento de “outra denominação” caia na desgraça ou falência, é triste mas aceitável, mas Cultura não…
    Em relação às fotos acima eu tentei analisar sob o ponto de vista do infra-vermelho – é bom para os militares e péssimo para quem está sendo observado. 🙁
    O ganhador do prêmio é um “civil”, parabéns para ele, ótimas fotos! Entretanto, fiquei curioso em conhecer algum material do “mesmo naipe” obtido por militares – há alguns militares que produzem excepcionais e dramáticas fotos – mas sei que minha curiosidade não será saciada – este material fica “fechado com 7 chaves”.
    Voltando, espero que a Espanha saia logo da recessão e que alguém se sensibilize e faça a Kowasa renascer – todos merecem…

Deixe uma resposta